O Nome da Cultura: Eco

"Aqueles que não têm princípios morais costumam se esconder atràs de uma bandeira "

"A mídia social dá o direito de falar a legiões de imbecis que antes só falavam no bar, depois de um copo de vinho, sem prejudicar a comunidade."

Umberto Eco foi um dos pensadores mais interessantes do século XX na Europa. Seu trabalho abrangeu vários campos e foi pioneiro no campo da semiótica e estudos culturais. Homem renascentista, versado em todas as disciplinas possíveis, gênio linguístico, grande filósofo, inventor de novas instituições acadêmicas, escritor best-seller, jornalista e crítico corrosivo, Eco excede qualquer classificação, não se encaixa em nenhuma caixa e talvez, precisamente neste , foi o melhor representante da cultura contemporânea.

A "perda de memória", a "ausência de memória" é uma tragédia do nosso tempo. E nunca como neste momento, a dolorosa observação de Umberto Eco parece ser compartilhada, acima de todas as outra.
Ele também nos ensinou que nenhum domínio cultural é capaz de resolver todos os problemas que é capaz de colocar.

 

Sua abordagem fez dele um pioneiro na interpretação do mundo com base em nossa cultura. Ele fundou e desenvolveu uma das abordagens mais importantes da semiótica contemporânea, geralmente denominada semiótica interpretativa. A semiótica de Umberto Eco é multiplicativa, inclusiva, acolhedora, enreda, estimula.

 

E ele era um verdadeiro intelectual, que se colocou a serviço da sociedade, da comunidade e, por esse motivo, Eco também era uma das pessoas mais citadas no mundo. Em um momento de desvalorização geral do conhecimento e da leitura, a lição de Eco, segundo a qual não se pode e não deve ignorar o que foi dito e pensado diante de nós, é de importância decisiva.

Em 1988, na Universidade de Bolonha, Eco apresentou um programa incomum de estudos chamado Antropologia Ocidental, extremamente revolucionário na época, pois foi planejado da perspectiva de não-ocidentais (acadêmicos africanos e chineses). Ele destacou a tendência de classificar símbolos, idéias e conceitos de culturas estrangeiras, adaptando-os ao seu próprio sistema de referência cultural.

 

O exemplo mais relevante citado por Eco é aquele segundo o qual Marco Polo, vendo um rinoceronte durante suas viagens pelo Oriente, imediatamente o identificou como um unicórnio. Marco Polo havia classificado o animal com base na imagem ocidental do unicórnio: uma criatura com chifre. Podemos encontrar essa anedota em textos medievais e nos primeiros livros de viagem; mesmo com a descoberta da América, muitos viajantes afirmaram ter visto sereias ou falado sobre lugares exóticos e fantásticos.

 

Eco, com a sua semiòtica e seus ensaios cheios de conhecimento e informaçòes profundas, nos deu um òculos precioso para realmente entendermos a nossa Cultura: atè ele èramos como Marco Polo, ou seja, tentando entender algo desconhecido atravès da adaptaçào ao filtro do que é conhecido por nós.

 

Isso nào è analisar e entender a realidade. Mas graças ao seu conhecimento, hoje temos sistemas e informaçòes para poder enxergar a realidade como ela è. Bom ou ruim, ao menos encaramos a Verdade.

 

Longa vida aos conhecimentos de nosso grande Maestro Eco !

"Ao impor um comportamento externo, roupas são dispositivos semióticos, máquinas de comunicação".


O que eu li dele e recomendo:

 

In cosa crede chi non crede?, con Carlo Maria Martini, Roma, Liberal, 1996

Storia della bellezza, a cura di, testi di Umberto Eco e Girolamo de Michele, Milano, Bompiani, 2004

Storia della bruttezza, a cura di, Milano, Bompiani, 2007

Vertigine della lista, Milano, Bompiani, 2009

Il Medioevo, a cura di, 4 voll., Milano, Encyclomedia

Guerre sante, passione e ragione. Pensieri sparsi sulla superiorità culturale; Scenari di una guerra globale. Roma-Bari, Laterza, 2002

L'età moderna e contemporanea, a cura di, 22 voll., Roma, Gruppo editoriale L'Espresso, 2012-2013.

Storia delle terre e dei luoghi leggendari, Milano, Bompiani, 2013

Il fascismo eterno, Collana Le onde, Milano, La nave di Teseo, 2018

Write a comment

Comments: 0