trend | Sexodus è o novo narcisimo masculino

Um grupo de mulheres criou uma nova forma de feminismo, cheio de experimentaçào e quebra de tabus em oposiçào à um mundo onde os homens aparentemente estavam pouco à vontade em seu confronto. E estes entào deram origem a um novo comportamento narcisìstico que estamos chamando de Sexodus...

Oh oh. Nào sei se vocès leram este artigo do Sunday Times, mas posso adiantar que depois dele comecei a pesquisar sobre o assunto e, apertem os cintos, parece que novamente vamos ter um ano very hot nas discussòes de gènero. Uma tendència que infelizmente nào tem deadline final, e que està afastando mais ainda os homens das mulheres, acabou de ser nominada em Londres: chama-se Sexodus e potencializa a relaçào de homens entre homens. Nào sexual, mas pode ser tambèm, nunca se sabe, right?

Esta separaçào de mundos, como aliàs acontecia là no inìcio do sèculo passado - parece que estamos cada vez mais retrocedendo, nào acham? - originou-se de um movimento impetuoso very british, reunido com o acrònimo MGTOW - Men Going Their Own Way. Mas para onde vào? Nenhuma parte, ficam em frente do computador, jogam com a Playstation, viajam com amigos, tomam litros de pint e talvez aquilo que os ingleses sabem fazer melhor do que nòs : jogam bridge. 

 

A comunidade se anuncia no site de forma irònica "Roses are dead. Pass the beer nuts" e apresenta quando analisamos uma grande dose de ironia junto de ansiedade, depressào, abandono e raiva que no fundo è muito simplista etiquetar como antifeminismo visceral. Algum exagero dà para notar: muitos misòginos (ódio, desprezo ou repulsa ao gênero feminino e às características a ele associadas) que parecem ver desde qualquer spot publicitàrio atè um tratamento em loja um complò feminista para conquistar o mundo, aos que sustentam o no child please terminando nos que adotam o celibato monk mode.

 

Aliàs, leia abaixo (em inglès do site original) algumas formas curiosas de viver neste modo:

- Going out for coffee or sitting around idly.

- Playing video games

- Watching marathons of television series/movies.

- Watching porn.

- Refreshing the shit out of Facebook/Twitter/Instagram or whatever social network it is you’re hooked on.

- Sitting around drinking alcohol/doing drugs then being out of action with a migraine the next day from a hangover/come down.

Nào terìamos começado a prestar atençào neste grupo se ele nào tivesse se tornado tào importante numericamente e localizado nào apenas na Inglaterra mas em todo o mundo. A caracterìstica aliàs que mais me chama atençào è que ele è intergeracional e internacional! Conhecem outro com tal abrangència hoje?

"Sair com meninas è um risco", afirmam alguns participantes do grupo quando vocè entra no site oficial e começa a ler alguns tòpicos do fòrum. Nem em relaçòes ocasionais, com afirmam outros: "Acordar e poder ser acusado de estupro? Aconteceu com vàrios amigos meus." Opa, parece que o puritanismo hipòcrita do falso feminismo està causando uma ruptura radical no sexo (antigamente) forte.

 

De onde vem as teorias dos participantes? Bem, aos que querem se aprofundar no tema indico o Manosphere (a community of blogs on the internet with male interests in mind) que indica um certo esquema "do caos à liberdade" como nova ordem mundial masculina. Eles estào se propondo como um novo orgulho do gènero, justamente no momento no qual estes estào cada vez mais esfumaçados. Estào, como chamamos em trend analysis, ocupando com um comportamento um espaço de atitude e açào no mundo que ficou vazio. No qual a atitude de Jade Smith ajuda a confundir, digamos...

Jaden Smith - que diz que existem roupas e nào moda masculina/feminina - como novo testimonial da maison francese Louis Vuitton.

Na minha opiniào, todos os movimentos sào interessantes quando exprimem de forma nào-violenta os desejos e vontades nào realizadas de um grupo. Mas eles, na verdade, estào expressando ao mundo um desconforto existencial que pode ser encontrado em menor grau no seu namorado, marido ou atè no seu e no meu pai se formos investigar a fundo. Nào è passageiro e tampouco uma ironia coletiva. E' uma dor real, psicologicamente falando, que teve sua gènese no mundo contemporàneo là nos anos 60 se vocè lembrar...

 

As causas sào diversas, individuais e sociais. Uma andorinha nào faz verào, mas milhòes de homens na mesma sintonia sim, e è aì que mora o perigo. Como uma bola de neve: acontecem frustraçòes em problemas pessoais a nìvel relacional e esta se torna raiva. Vem a baixa auto-estima, o medo de ser julgado e entào, a "brilhante" conclusào: fique sozinho, estarà melhor, respeite-se e todo aquele blà que nòs, mulheres fazìamos antes contra eles, recordam? No extremo negativo deste comportamento, uma misoginia extrema, aos confins do sadismo, que se recusa a enfrentar as mudanças e se cristaliza em uma ùnica posiçào, que para ele, è mais confortàvel. Desta exasperaçào, nasce o desejo de fuga para o mundo "eu-centrico": eu antes de tudo, antes de vocè inclusive. A minha liberdade, o meu direito, o meu espaço...

Os homens MGTOW se fecham no seu mundo e o abrem destilando raiva no confronto de mulheres usando YouTube e as redes sociais. Seu grupo è uma agregaçào superficial, como tantos outros networks. Mas grupos assim, baseados sobre a exclusào e com raiva no pacote sào destinados, infelizmente, a implodir.

Write a comment

Comments: 1
  • #1

    Anónimo (Thursday, 14 July 2016 02:29)

    HA!! Só precisei ler 5 linhas pra saber que esse artigo era de mais um trouxa que não sabe fazer o próprio trabalho direito.

STUDIO FAH MAIOLI - Milan & Antibes

MAIL | contact@fahmaioli.com

INSTA | fahmaioli

FACE | fahmaioli

LINKEDIN | fahmaioli

PINTEREST | fahmaioli